Nada inspirados

Marginal Tietê na altura da ponte das Bandeiras: água pra todo lado. Rivaldo Gomes/ Folha Imagem

Falar da chuva quase descambou para um desabafo político no post anterior. A salvação, talvez, veio com o lirismo de Kurosawa. Mas hoje, ao ler a Folha, encontro um artigo de Fernando de Barros e Silva que expressa muito do que penso sobre os desastrosos alagamentos que vem ocorrendo em São Paulo.

Infringindo a lei do copyright, exponho aqui, na íntegra, o texto-manifesto do colunista:

FERNANDO DE BARROS E SILVA

Ensaio sobre o aguaceiro

SÃO PAULO – Aguaceiro, diz o Houaiss, é uma “chuva forte, súbita e passageira”; mas também pode ser, em sentido figurado, “contrariedade, infelicidade inesperada, infortúnio”. Os paulistanos conhecem de perto os dois significados: a chuva forte vem e passa; o infortúnio fica. E nem se pode dizer que seja uma “infelicidade inesperada”.
É certo que chove um bocado neste janeiro. Mas também é imoral buscar nos humores da natureza as razões de um colapso que se explica muito melhor pelo descaso histórico com o planejamento da cidade, associado à incompetência e incapacidade da administração demo-tucana para ao menos notar a extensão e gravidade do problema.
A chuva voltou a fazer estragos em todas as regiões da capital e provocou alagamentos em 112 pontos na madrugada de quinta. Tomando-se a Grande São Paulo, dez pessoas morreram. O Tietê -o rio infecto que, segundo os tucanos, não alagaria mais- transbordou pela terceira vez desde que sua calha foi rebaixada, em 2006. Os congestionamentos ontem batiam na casa dos 140 km -isso em janeiro, quando estima-se que de 20% a 30% da frota esteja fora de circulação.
Obras de drenagem contra enchentes insuficientes, piscinões saturados, bueiros entupidos, solo cada vez menos permeável. O mar de laje da zona leste é uma das imagens mais tristes da tragédia paulistana. É evidente que essa é uma batalha que vem sendo perdida pela cidade, com transtornos para todos e danos intoleráveis para os pobres.
Havia cobras, ratos e vidas estragadas aos montes sob a água suja quando, depois de dias, Gilberto Kassab deu o ar da graça no Jardim Pantanal. O prefeito agora, mesmo vaiado, pede que a população “fique tranquila”, o que parece menos uma demonstração de serenidade do que de desconexão com a realidade. Enquanto isso, Serra avisa a rapaziada pelo twitter que este é um “ano anômalo”. De fato, um ano surreal. Já encontramos até peixe morto em túnel alagado. Quem sabe ainda vão achar tucano afogado.

Anúncios
Explore posts in the same categories: Sem categoria

Tags: , , , , , ,

You can comment below, or link to this permanent URL from your own site.

3 Comentários em “Nada inspirados”

  1. Mariana Says:

    É… o Serra falando no twitter que sente muito por esse ter sido um ano atípico e chovido muito é duro de roer.

  2. ivanlord Says:

    Gelada, não sei se eu prefiro o terremoto, mas terremotos da mesma potência do que o que ocorreu no Haiti não fizeram o mesmo estrago em outros países. Prova de que as consequências desastrosas de um fenômeno natural é consequência direta da falta de preparo do local. Mas, claro, sabemos que o problema do Haiti tem raízes históricas.

  3. Gabriel R.M. Says:

    Putz. Se tivéssemos terremotos, furacões… talvez fosse melhor: não teríamos culpa alguma.


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: